Este tempo é ridículo.. mas aqui a je só tem férias só no fim de Agosto e principio de Setembro. 

A verdade é esta



Fiquei sem internet durante estes dias, mas prometo voltar em força. O computador pode fazer das suas, mas jamais me afastará do cantinho.
Em relação ao post anterior, a verdade é esta, ele deu-me o número dele mas apaguei... porque? Não é com uma simples conversa que me leva a acreditar que ele está assim tão interessado.  Possivelmente fiz mal, mas caso o volte a ver em Setembro para as inscrições dos cursos nocturos talvez, mas só talvez... porque dores de cabeça, já tenho muitas. Digam lá de vossa justiça

Querido devaneio




Tal coisa nunca me tinha acontecido, mas não perco a oportunidade de te contar.
 Hà uns dias atrás, fui ao meu antigo liceu na esperança de conseguir inscrever a minha mãe  num curso pós-laboral para terminar o 9º ano. Dirigi-me até à secretária e depois lá estive à porta do director para conseguir falar com ele sobre a situação, a mãe entretanto chegou e sentei-me no sofá, naquele que deixa muitas saudades e saquei do telemóvel. 
Sem dar conta, senta-se um rapaz com boa aparência e começa a meter conversa comigo. Se bem  me conheces, sabes qual foi o meu 1º pensamento... mas este gajo bate mal? ou simplesmente simpático? Não fui mal-educada e dei-lhe trela, durante 10 minutos falamos de cursos, empregos, de tudo um pouco... até ao momento em que fui chamada e o rapaz como pensou que a nossa conversa iria dar algo mais lá me deu o número de telemóvel...e tu devaneio se bem me conheces o que terei feito?

Pressa para crescer... ou não?




Mito ou realidade? Quando temos os nossos 12 anos, lá estamos nós sempre a sonhar e a desejar ter os 18, mas para que? 
- Aprender a conduzir e desejar um carro só nosso? 
- Poder beber tudo até cair para o lado? 
- Entrar em discotecas e sair de lá completamente indecente?
- Para enfrentarmos os nossos problemas de cabeça erguida? 
- Para começarmos a sair e vir às tantas?
Quem precisa de álcool para se divertir, é alguém que não possui grande inteligência... pois caso contrário iria conhecer outras manobras de diversão.


Quando finalmente fazemos os 18, muda alguma coisa? Sim, muda tudo... mas os sentimentos são os mesmos, para quê dizer que estamos mais adultas. Não é de um dia para o outro que isso acontece. No entanto, os jovens de hoje acham que só precisam de 24horas para se tornarem adultos. Ao longo de toda a nossa vida somos confrontados com decisões, não são os dezoito anos que nos vão ajudar a tomar decisões. 
Com apenas 14 anos temos de saber que curso no liceu queremos seguir, somos postos à prova muito jovens, será a altura certa? Lembro-me de estar na dúvida... e de estar com medo de errar, acontece que fui para o curso de Tecnologias. Estive um ano cheia de dúvidas, e quando cheguei ao fim do 10º ano lá estava eu a pedir transferência para Humanidades. Não me arrependo, o que tinha que ser...foi...


Ao 17/18 anos temos outra decisão em mãos... a escolha da faculdade e o curso dos nossos sonhos. Aqui a escolha até possui as suas ajudas, os amigos contribuem, fazes visitas com eles... o animo é outro se é que percebem..


Acabamos o curso já com 20/21 e no fim... o que nos resta? Tomar mais decisões, mas nada se compara a estas... sim, à medida que a idade aumenta as decisões são cada vez mais importantes e cada vez mais vão influenciar a nossa vida. 
Para aqueles que têm pressa de crescer... estejam quietos... cada coisa no seu tempo sim? 

Não me sai da cabeça


Olha lá
Já se passaram alguns anos
Nem sequer vinhas nos meus planos
Saíste-me a sorte grande
E eu cá vou
Usando os louros deste achado
Contigo de braço dado
Para todo o lado
Eu vou até morrer
Ser teu se me quiseres
Agarrado a ti
Vou sem hesitar
E se o chão desabar
Que nos leve aos dois
Vou agarrado a ti
Meu amor
A roda da lotaria
Que é coisa escorregadia
Saíste-me a sorte grande
E eu cá vou
À minha sorte abandonado
Contigo de braço dado
Para todo o lado
Eu vou até morrer
Ser teu se me quiseres
Agarrado a ti
Vou sem hesitar
E se o chão desabar
Que nos leve aos dois
Vou agarrado a ti
Vou sem hesitar
E se o chão desabar
Que nos leve aos dois
Vou agarrado a ti
Vou agarrado a ti
Vou agarrado a ti

É isso... é o mestrado



Um dos assuntos que mais tenho debatido com os meus colegas é a questão de mestrados. O medo é igual para todos, a palavra desemprego não faz parte do nosso vocabulário. Mas haverá alguém ainda com cabeça para estudar mais? Foram 3 anos de estudo intenso, quase sem férias... para não falar de problemas pessoais, não tenho cabeça para nada.
Já enviei currículos na esperança de encontrar um part-time e poupar alguns trocos. Outro assunto que está nas entrelinhas das nossas conversas é a questão da emigração. Uma colega vai já no próximo mês para Inglaterra, mas não é a única a fazer as malas. Lá fora há mais hipóteses de emprego, e as ofertas são mais atractivas, mas "nós" cá ficamos a tirar mestrados, na esperança que vai ser isso que nos vai dar emprego. 
Acredito que não é a estudar que vou conseguir deixar de ser recém-desempregada,  mas sim arranjar experiência em vários empregos part-time, caso contrário, a ideia de emigrar não me mete medo. 
Os tempos que correm não são de grandes marés, mas mesmo assim temos que nos sujeitar... na esperança de um dia, termos o nosso emprego de sonho, pronto...vamos ser realistas... um emprego que nos ajude a pagar as contas e que sobre algum para podermos usufruir de regalias, porque nós sonhadores, merecemos. 
Mas tenham calma... não estou a dizer para não tirarem mestrados, até é bom, reforça os nossos estudos, mas pensem! Se o nosso país não tem dinheiro para pagar/recrutar licenciados, terá para pagar a mestres? A vida está difícil, como diz o outro.


Ai vida... vamos lá ver se obtemos respostas 




Se não fosse estúpida...

agora não estaria mal comigo mesma...