Coisas que já tinha escrito sobre a praia

regras de ouro para escolher um lugar na praia parte 1
finalmente descobri  Rapazes
Fritar panados 
regras de ouro para escolher um lugar na praia parte 2

O facebook é uma coisa fantástica, acabei de encontrar a minha melhor amiga da primária. No quarto ano ela mudou-se para o Minho e nunca mais tive contacto com ela. Agora é por a conversa em dia. A sério, adoro o facebook.
Nem tenho palavras... 

Cheira-me



que este filme vai ser como o dia dos namorados, colocam lá uma carrada de actores famosos para chamar pessoal e depois no fim sai uma valente cagada. Não se deixem enganar, sejam inteligentes e vejam bons filmes.  
Para quem ainda não viu o filme o dia dos namorados, não veja. Mas agora é filmes com nomes de feriados? Já nem na 7ª arte há criatividade, desde o momento que fizeram um filme sobre Justin Bibier (o puto tem fama há menos de 2 anos) já nada me surpreende. Antigamente os filmes não mostravam cenas de sexo, tudo para manter o suspense, agora tudo o que tem sexo vende. Deviam fazer filmes decentes, com histórias reais e não com histórias que criam macacadas e esperanças a certas raparigas. Certos filmes não passam de ilusões, mas que nós acreditamos que um dia se concretizem frente a nós. Há pouco tempo descobri o sindrome Bridget Jones, passo a explicar, são raparigas que acreditam que o seu príncipe encanto vai surgir num cavalo branco. Sejamos realistas, ele até é capaz de aparecer num audi nas melhores das hipóteses, mas é sempre bom ter a cabeça na terra e não na lua. Para mim esses filmes são apenas lavagens ao cérebro, que no fim nós acreditamos.  

O casamento

Em Setembro tenho um casamento de uma prima e estou entusiasmada pois o último casamento a que fui tinha eu 12 anos e ainda não tinha o meu  irmão. Passaram anos e anos e nunca tive oportunidade de comprar um vestido para tal efeito. Comprei ontem o "vestido", tinha em mente comprar em cinzento, encontrei um lindíssimo  mas não havia o meu tamanho, não desanimei e continuei a minha procura. A minha mãe é uma senhora que gosta de tirar todos os vestidos imaginários e super escandalosos, mas com gosto (eu é que sou esquisita). Lá peguei nas escolhas dela, e fui experimentá-las. Foi um vestido caicai que me chamou a atenção, mas devido ao meu aspecto hesitei logo, mas foi a reacção da minha mãe que me surpreendeu  e que me levou a comprar o vestido. Falta agora só os sapatos.
Palavras p'ra que? 
Quando tiverem um filho prometam-me que não tiram fotos à pilinha dele sim?
Mania das mães que despem os filhos quando eles são bebés e tiram fotos ditas artísticas. Porque não tirar quando ele já for crescido? Pois, já não deixa, pois não? 
Nada melhor que rever as fotografias.

Adoro o simples facto de:

me atirarem à cara que não tenho namorado.
Ser Solteiro significa:  "Sociedade Organizada Livre de Traição e de Erros, Total Independência, sem Remorsos ou Obrigações"

Antes de falarem pensem primeiro no que vão dizer, pois quando atiram à cara coisas que não fazem sentido, não faz qualquer sentido dizê-las.
Tenho pena de pensar que existem pessoas que tentam rebaixar outras através de uma frase simples como "ahahah não tens namorado"
Oh meus caros amigos, não sinto falta de ter um homem ao meu lado. Poupo uns bons euros em prendas, rugas não as faço e o mais importante, não tenho chatices e não chateio ninguém. 
Mas sabem o que é mais triste? É o simples facto de metade ou mais de metade das minhas colegas/amigas terem namorado e concluírem que: 
- Só têm porque querem alguém que goste delas, pois sabem que não há mais ninguém que há-de gostar delas;
- Só para fazer inveja a outros;
- Para poderem fazer sexo (SIM é verdade);
entre outras....

Mas o facto de me virem confessar o que acham dos namorados, que até gostam delas são as melhores. Gozam com o aspecto físico, com a inteligência, com o "small penis". Mas será que me escapa algo? Amar alguém não é aceita-lo tal como ele é? Ou é trata-lo mal?  Mas quem sou eu para falar? Não tenho namorado, ora bolas... 
Se acordares com um galo na testa é sinal que deves por uma almofada na mesinha de cabeceira.

A escolha está feita

Quando comecei o curso estava entusiasmada porque sempre pensei "vou sair daqui uma grande jornalista" mas ao longo do tempo perdi a vontade ou melhor, tiraram-ma. Pode-se dizer que as más companhias são para por de lado, mas a sorte nunca está ao lado de quem mais precisa. Deitaram-me abaixo, fizeram-me chorar mas sobretudo fizeram-me sentir como merda, sim é verdade, quando pensamos que as pessoas são nossas amigas, essas "ricas pessoas" largam bombas de mau cheiro. Mas apesar disto tudo, fez-me perceber um coisa, não são os outros que nos julgam mas sim nós próprios. Somos nós que pensamos o que queremos e não há ninguém que nos faça calar. Cresci neste segundo ano de faculdade e tudo devido a maldades de outras, que no fim de contas têm inveja do trabalho de outros. 
As pessoas que nos deitam abaixo, não passam de pessoas com fraca auto-estima  e com uma forte ganância. Estão destinadas a ficar sozinhas e quando se aperceberem do mal que fizeram, já é tarde, pois já perderam tudo. Apesar de ter perdido uma amizade desnecessária, ganhei mais amigas do que pensava. Elas estão presentes, mas sobretudo são boas pessoas. AMIGAS são aqueles que nos apoiam, não as que nos rebaixam.    

P.S: Jornalismo, aqui vou eu. Depois de muito pensar e de tolerar muito bem, decidi seguir a vertente de jornalismo. Fico triste da vertente de relações públicas não abrir de manhã, mas como me disseram: "Se assim o é, é porque há algo especial que te espera", espero bem que assim seja.

Dilemas e dilemas

          Chegamos ao mês de Julho e com ele veio a chuva e veio uma mão cheia de preocupações. Ainda estou indecisa em relação à faculdade, não sei se devo seguir jornalismo ou se devo seguir relações públicas? Relações públicas só há a noite e a última aula acaba às 23h e chegar a casa de transportes é uma grande risco, e levar o carro só trará despesas cá para casa para não falar que chego a casa por volta da meia noite. Isto já não acontece se tirar jornalismo, pois o horário é mais variado e tenho mais hipóteses de seguir o Sr. Pirata no hospital.  Não posso trazer mais despesas cá para casa, pelo simples facto do Sr. Pirata estar doente e ter de ficar de baixa devido aos tratamentos. Assim sendo tenho que arranjar um part- time para abafar as minhas despesas, pois alguém tem que começar a pensar em poupar. Sei que devia ter pensado nisto à mais tempo, mas a minha cabeça está um nojo desde que recebi a trágica notícia, para não falar que tenho exames para fazer.